Fink

Perguntas frequentes - 1. Perguntas gerais

P.1.1: O que é o Fink?

R.: O Fink deseja trazer mais software Unix para o Mac OS X, o que resulta dois objetivos principais:

O objetivo número um é portar software para o Mac OS X. Isto significa que nós pegamos software Unix de código aberto e fazemos os ajustes necessários para que ele possa ser compilado e executado no Mac OS X. Algumas vezes isto é fácil mas pode também ser bastante difícil ou até mesmo impossível para alguns pacotes. Estamos tentando prover ferramentas e documentação para tornar este processo mais fácil.

O objetivo número dois é tornar os resultados disponíveis para os usuários convencionais. Para isto, nós montamos uma distribuição usando ferramentas de gerenciamento de pacotes portadas do Linux, o dpkg e o apt-get, escritas por e para o projeto Debian GNU/Linux. A distribuição de binários usa o formato de pacote .deb. Para compilar pacotes a partir do código fonte, temos nossa própria ferramenta, chamada fink, que cria arquivos de pacote .deb.

P.1.2: O que significa o nome Fink?

R.: Nada, é apenas um nome. Não é nem mesmo uma sigla.

Na verdade, Fink é o nome do pintassilgo em alemão (na verdade, uma família de pássaros à qual o pintassilgo pertence, os fringilídeos). Eu estava procurando por um nome para o projeto e o nome do sistema operacional, Darwin, levou-me a pensar sobre Charles Darwin, as Ilhas Galápagos e evolução. Lembrei-me de uma passagem da época da escola sobre os fringilídeos encontrados por Darwin nas Ilhas Galápagos e seus bicos característicos e, bem, foi isso...

P.1.3: Qual a diferença entre o Fink e o mecanismo de ports do BSD (incluindo OpenPackages e GNU-Darwin)?

R.: Algumas vantagens principais:

  • É escrito em Perl e não make/shell. Por conseguinte, dispensa as características especiais que só são encontradas no make do BSD e não é necessário sinalizar os pacotes que necessitam do GNU make para compilá-los.

  • O dpkg fornece um gerenciado de pacotes de binários bem sofisticado - atualização tranquila, gerenciamento especial de arquivos de configuração, pacotes virtuais e outras dependências avançadas.

  • O Fink não instala no diretório /usr/local a menos que isto haja sido solicitado de forma explícita e não necessita de artimanhas para lidar com o /usr/bin/make ou outros comandos providos pelo sistema. Isto faz com que ele seja mais seguro para usar e reduz ao mínimo possível interferências com o Mac OS X e pacotes de terceiros.

P.1.4: Por que o Fink não instala no /usr/local?

R.: Há várias razões, mas de forma geral é "porque algo vai dar errado".

Primeira razão: softwares de terceiros. O diretório /usr/local é um lugar bem padronizado para se colocar software que não seja parte do sistema que foi distribuído pelo fabricante. Isto significa que é um bom lugar para se instalar programas. Entretanto, isto também significa que outras pessoas irão colocar suas coisas nesse diretório. A maior parte das rotinas de instalação simplesmente sobrescreve o que estiver lá - isto também se aplica ao dpkg. Pode-se, claro, escolher não instalar softwares de terceiros no /usr/local. Infelizmente, a maior parte dos programas de instalação não avisa de antemão que irão instalar nesse diretório.

Segunda razão: /usr/local/bin está no PATH padrão. Isto significa que seu shell irá encontrar os programas instalados sem que sejam necessárias medidas adicionais. Mas isto também significa que você precisa tomar medidas adicionais caso não queira usar os programas. Em casos extremos, isto também pode afetar o sistema em si - muitas partes dependem de scripts de shell.

Terceira razão: os programas de compilação leem o diretório /usr/local por padrão: o compilador procura arquivos de cabeçalho em /usr/local/include e o linkeditor procura bibliotecas em /usr/local/lib. Uma vez mais, às vezes isto é conveniente, porém é dificíl desabilitar este comportamento caso necessário. É muito fácil desabilitar um comportador caso um arquio stdio.h contendo lixo seja colocado em /usr/local/include.

De qualquer forma, é possível instalar o Fink em /usr/local. O script de instalação irá avisá-lo explicitamente mas você pode prosseguir sabendo que você está fazendo isso por sua própria conta e risco.

P.1.5: Por que vocês escolheram /sw?

R.: Essa escolha é arbitrária e deverá continuar desta forma por motivos práticos (atualização) e também pelo fato de que é uma escolha segura no tocante ao conflito com outros sistemas de empacotamento.

Próximo: 2. Relacionamentos com outros projetos